PM apreende 120 quilos de Maconha e ex-presidiário morre em troca de tiros

11/08/2017 19h19 - Atualizado em 14/08/2017 08h42 A droga estava em um prisma com placas de tupã.
Redação - Kako de Oliveira, Araçatuba
PM apreende 120 quilos de Maconha e ex-presidiário morre em troca de tiros Maconha apreendida estava em veículo Prisma com placas de Tupã.

O ex-presidiário, Agnaldo Fernando de Oliveira, 47 anos, o Aguinaldinho, foi morto na madrugada desta sexta-feira (11), em troca de tiros com a Polícia Militar, durante ação que resultou na apreensão de aproximadamente 120 quilos de maconha na rodovia Elyeser Montenegro Magalhães (SP-463).

A polícia revidou ao ataque do suspeito, que resultou em ferimento a um dos policiais. Ele foi levado para o hospital e recebe atendimento médico. Um motorista de 45 anos foi preso em flagrante e apresentado no plantão policial.

O caso ocorreu depois que a PM recebeu informação de que um carregamento de droga chegaria em Araçatuba em dois carros, um Prisma e um Celta.

Uma equipe da Força Tática montou campana em um canavial à beira da estrada e ao perceber a aproximação do Prisma, iniciou acompanhamento. O condutor do veículo o abandonou à margem da rodovia, próximo à ponte Pio Prado, sobre o rio Tietê e correu para o canavial. Dentro do carro estava a maconha e um quilo de pasta base de cocaína.

Enquanto vistoriavam o veículo, os policiais perceberam que o homem que abandonou o Prisma havia entrado em um Celta, que retornou para buscá-lo.

Iniciou-se novo acompanhamento e próximo ao trevo de Santo Antônio do Aracanguá o carro rodou na pista. Um dos ocupantes do veículo sacou um revólver e atirou contra as equipes. Um dos tiros atingiu a porta de uma das viaturas e feriu um dos policiais na perna.

Os policiais revidaram e atingiram Aguinaldinho, que foi socorrido pelo regaste em estado grave e teve a morte confirmada na Santa Casa de Araçatuba. O outro homem foi preso e levado ao plantão policial.

Além da droga, foram apreendidos o Prisma com placas de Tupã, o Celta com placa de Araçatuba e um revólver calibre 38, com a numeração raspada e carregado com seis munições deflagradas.

Agnaldinho foi preso em 2002, com 92 quilos de pasta base de cocaína. Em 2010, ele foi condenado pela Justiça de Penápolis a 27 anos e 2 meses de prisão.

Essa condenação é referente a investigação da Polícia Civil realizada em 2006, que resultou na operação "Cobras e Lagartos", que indiciou 19 pessoas.

 

Fonte - Folha da Região 

Comente, sugira e participe:

Cadastre seu WhatsApp e receba notícias diariamente pelo celular